sábado, 7 de julho de 2012

Deus Está Morto!

Na semana passada, o IBGE divulgou dados comparativos entre os censos realizados nos anos 2.000 e 2.010 sobre religião, e apontou crescimento de 61,45% dos evangélicos nos últimos dez anos.
Sinceramente essa notícia me deixou mais temorosa e apreensiva do que feliz. Fiquei pensando em quanto importa para os “evangélicos” esse crescimento quantitativo, quando em detrimento a qualidade tem decrescido.
A satisfação pela nomenclatura “evangélico” já aponta indícios do problema. Tenho orgulho de dizer que sou cristã protestante, e não evangélica. Lembro-me do sangue dos tantos mártires que foi derramado na luta pela reforma protestante, e que é ignorado pelos atuais “evangélicos”, que seguem as suas “celebridades gospel”. É o fim da picada! Aliás, não é, porque quando pensamos que chegamos ao limite, ele é superado.
É obvio que a anunciação do evangelho não é o que me entristece, mas o que tem sido feito do evangelho e “em nome dele”.
Antes se falava de cristianismo nominal, hoje já se fala de evangélicos não praticantes. Distinção feita anteriormente só em relação ao catolicismo, e acredito que os “católicos mesmo” nunca gostaram de saber que pessoas não tinham religião nenhuma se denominavam assim. Eu quero saber: “o que é um evangélico não praticante?” É um “simpatizante”? Ou seria alguém que tenha uma postura muito próxima a de um evangélico?
Nietczshce(1.882)¹ fora -  e ainda o é – criticado por dizer que Deus está morto. Apesar de ateu, a colocação de Nietzsche não se tratava de uma apologia à sua descrença, mas era, em outras palavras, uma crítica ao homem e sua religião antropocêntrica, cujos princípios e moral se flexionam de acordo com seus próprios interesses. Para ele Deus está morto na consciência dos homens.
Eu indago: com esse “evangelicalismo distorcido” que vemos hoje, que lugar ocupa Deus? Não teria ele se tornado só a Rainha Elizabeth dos evangélicos?  Na Inglaterra, o país é administrado pelo primeiro ministro, mas há uma rainha que o representa, e é seu rosto que vemos nos eventos importantes, mas não é ela quem decide em primeira instância os rumos do seu país. Não estariam então, hoje, fazendo de Deus, só o cara do trono? Pois é assim que o Soberano tem sido tratado. Líderes tem orientado as pessoas a decidirem o que querem e só informarem a Deus, pois elas já determinaram o que querem, dispensando-o de fazê-lo. Se eu mesmo determino o quero pra mim, menosprezando o poderio de Deus, que Ele esteja morto então, é indiferente.
Vi plotado num carro: "Foi o trabalho que me deu. Dirigido por mim, guiado por mim mesmo". Acho mais sincero do que: Foi Deus que me deu e dirigido por mim, guiado por Deus, como vemos comumente. Sendo que as pessoas tem sido consumidas por seu trabalho, abrindo mão do que é extremamente essencial no reino para conquistar bens materiais, e guiam suas vidas sem ao menos importar que rumos o Senhor tem pra ela. É uma religiosidade estética apenas, porque Deus está morto na consciência dos homens..
Pra maior tristeza ainda alguns se fundamentam em Paulo para defender as bizarrices que temos visto: “Mas que importa? Conquanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira”(Filipenses 1:18). Quando Paulo usa esse argumento, ele fala da motivação que leva as pessoas a anunciar o evangelho, não da mensagem que era pregada. Para ele, ainda que a mensagem não fosse anunciada de boa vontade e coração alegre, ainda sim, o poder da verdade pregada, é que surtiria resultados e não a disposição de quem a pregasse.
Os cristãos vem perdendo sua identidade, e ignorando o caráter de Cristo e sua forja em si. Abrimos mão até do nome que evoca nossa história e nos distingue das outras religiões cristãs: protestante. Adotamos um nome que nos encaixa nos modismos e ventos de doutrinas que vem e passam. Nos repaginamos!
Será que ainda sabemos quem somos? O próprio Nietzche(2.005)² também se perguntava, e depois Focault e também Deleuze: “O que estamos fazendo de nós mesmos?

"Depois dos acontecimentos, perguntamos, tolamente estupefatos e desconcertados: 'o que está acontecendo conosco? Quem somos realmente? E depois contamos, como foi dito, as trêmulas horas de nossa experiência vivida, de nossa vida, de nosso ser, ai de nós!, nos enganamos na conta... É que somos precisamente estranhos a nós mesmos. Não nos compreendemos, temos que nos confundir com os outros, estamos eternamente condenados a esta lei: 'não há ninguém que não seja estranho a si mesmo'; nem a respeito de nós mesmos somos 'homens de conhecimento'" (NIETZSCHE, 2005, p. 13)

Nessa contagem, se traçarmos um paralelo entre a quantidade e a qualidade dos cristãos(e o termo aqui é eufêmico) hoje, na relação custo benefício o saldo é com certeza negativo.
O mais intrigante nessas pesquisas - financiadas pelo governo – é que num estado laico interesse tanto determinar a religião mais popular ou ostensiva do país, não?!


Brunna Stefanya Leal Lima Cabral
 
Caso deseje citar integral ou parcialmente este texto, favor citar a autora e a fonte, exceções conceituam-se plágio.

¹NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. Alemanha: 1.882. §125.
²NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da Moral. São Paulo: Escala, 2005.

Leia Também: O Líder Que Caminhava de Costas

Gostou do Texto? Não gostou? Tem alguma crítica ou sugestão?       
Não deixe de votar abaixo expondo seu nível de satisfação com o texto.     
Deixe também seu comentário! Sua opinião é muito importante para que eu continue escrevendo, e é uma grande motivadora. 
Obrigada!

6 comentários:

  1. Gostei muito da sua reflexão e isso me causa um certo receio, o numero esta crescendo mas o que realmente server a Deus em verdade e espirito?
    Grata por querer divulgar seu blog em nosso espaço assim que o link for postado aviso, pois sigo a ordem das inscrições.

    ResponderExcluir
  2. Bom texto. Boa análise. Como cristão protestante (por santa tradição) e evangélico (por princípio bíblico), compartilho com você com a apreensão quanto aos destinos que estão dando a nossa fé. Mas ainda levo a sério 1Rs 19:18.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente caro Jabes, às vezes é mais preocupante o que os cristãos fazem dentro das igrejas do que fora dela.
      Bendita sua preocupação, mas esses destinos são dados à religiosidade, pois fé de verdade, poucos destes tem.
      Abraço

      Excluir
  3. Também senti um certo receio com a sua reflexão com relação a minha vida.Como podemos então saber que estamos seguindo os designos divinos?Eu me inclinei para estudar a biblia e conhecer a vontade divina. É a forma correta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pierrot!
      Somente através da leitura bíblica e oração é que podemos encontrar as respostas que procuramos em Deus.
      Abraços

      Excluir

Obrigada pelo seu comentário!
Que Deus lhe abençõe!!!

Direitos Reservados

MyFreeCopyright.com Registered & Protected
Plágio é Crime! Gostou? Quer usar o texto inteiro ou parcialmente? Peça autorização!

Agregadores

Tecnogospel: Os melhores links evangélicos Tedioso: Os melhores links agrega dicas maislinks Pop Blogs: O melhor da Web está aqui Links - Amigo De Cristo

Origem do Público desde 22 de Agosto de 2.012